quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Faça a diferença



Sábado passado à tardinha, levantei após uma longa crise de dor. Olheiras enormes e cansadas já que a fadiga crônica é crônica mesmo. Peguei uma vassoura e fui varrer a frente do meu portão.

Para surpresa minha, uma senhora bondosa já estava varrendo. Eu nunca a tinha visto pois geralmente falo pouco com vizinhos, apenas cumprimento mesmo e devido minhas dores, nem sempre estou com pique para conversar.

Batemos um bom papo. Ela disse que sempre me via sair e chegar e sabe quando seus vizinhos não estão bem de saúde. Aproveitou e veio limpar minha frente. Ajudei recolher o lixo e o adubo e ela me falou um pouco da sua vida. Que gosta de ajudar e há 35 anos cuida de uma cunhada deficiente na sua casa que não sai do quarto.

Expliquei para ela meu problema como fibromiálgico e minhas limitações. Abri espaço para vizinhança e agradeci muito pelo ato generoso.

Meditei na nossa trajetória de vida globalizada onde vivemos cercados por muros e não paramos para conhecer ou falar com nosso próximo. Na verdade a insegurança nos causa todo esse aparato de medo, prisão em nossos próprios lares e afastamento de pessoas que não conhecemos.

Infelizmente não é legal pois ainda existem muitas pessoas boas e com caráter modelo deixado pelo Criador. Capazes de estender a  mão ao próximo e oferecer em um mundo consumista e interesseiro, um copo de água fria, um abraço ou socorro em momentos necessários. Pessoas capazes de fazer a diferença em uma época em que se perdem os valores morais e éticos e onde cada um luta por si mesmo sem olhar o próximo como humano ou alguém com necessidades e sentimentos.


Foto: Robélyo Alves / essa senhora fica na entrada da Catedral Metropolitana de BRASILIA/DF. Ela é deficiente visual e me chamou muito atenção meu amigo parando para falar com ela.

Nenhum comentário:

Páginas

Quem sou eu

Minha foto

Sou uma pessoa muito simples mas gosto de ser feliz e fazer quem me acompanha, sorrir muito e ser feliz. Driblo há 36 anos uma luta diária contra as dores da fibromialgia mas isso não me impede de sorrir, lutar e lutar.
Imagine um portador de fibro de cara amarrada os 7 dias na semana? por isso me esforço muito e amarro apenas as segundas e sextas-feiras hehehe.